16.11.11

A Lista dos 10 piores alimentos para o ser humano



Recebi um email sobre “Os 10 piores alimentos para o Ser Humano” e concordei com tudo o que foi escrito, mas fiquei pensando, como as pessoas que não tem o conhecimento das trocas que se pode fazer a favor de uma alimentação mais saudável, agiriam, provavelmente com pessimismo e com a famosa frase: “Ah se eu for pensar nisso não como mais nada”.
Mas não se deixe contaminar pelo pessimismo, criei dicas bem fáceis e criativas para você transformar estes alimentos em versões mais saudáveis e saborosas.Conheça o abaixo a lista feita pela nutricionista Michel Schoffro Cook e “soluções” para transforma-los.

10º lugar: Sorvete.

Apesar de existirem versões mais saudáveis que os tradicionais sorvetes industrializados, esse alimento geralmente possui altos níveis de açúcar e gorduras trans, além de corantes e de saborizantes artificiais, muitos dos quais possuem neurotoxinas – substâncias químicas que podem causar danos no cérebro e no sistema nervoso.
Solução: Pois bem, que tal um delicioso sorvete caseiro feito de inhame? Isso mesmo Inhame, dá a consistência perfeita, a liga, não tem sabor, portanto se harmoniza muito facilmente. Além disso, tem grandes propriedades nutricionais. Vale a pena experimentar, é muito fácil de fazer!
Sorvete de Inhame, ingredientes:
  • 500gr de inhame cozido e descascado
  • 02 latas de leite condensado
  • 01 garrafinha de creme de leite fresco
  • 01 colher de chá de baunilha
  • Modo de Preparar:
  • Bater tudo no liquidificador, a base do sorvete está pronta.
Colocando o sabor:
Baunilha: Acrescente no liquidificador 1 colher de café de baunilha
Chocolate: Acrescente no liquidificador 2 colheres de sopa de cacau em pó. Se quiser fazer o gênero Chocolate Chique, coloque amêndoas picadinhas , nozes, pedacinhos de chocolate amargo, ou o que preferir.
Frutas: acrescente à mistura do liquidificador 1 copo do suco da fruta de sua preferência.

9º lugar: Salgadinho de milho

Desde o surgimento dos alimentos transgênicos, a maior parte do milho que comemos é um “Frankenfood”, ou “comida Frankenstein”. Ela aponta que esse alimento pode causar flutuação dos níveis de açúcar no sangue, levando a mudanças no humor ganho de peso e irritabilidade, entre outros sintomas. Além disso, a maior parte desses salgadinhos é frita em óleo, que vira ranço e está ligado a processos inflamatórios.
Solução: É verdade o milho está quase todo transgênico, mas ainda temos a pipoca orgânica. Promova uma deliciosa rodada de pipoca de verdade, aquela da panela que faz barulho e convide a criançada para participar. Garanto que os salgadinhos serão esquecidos, pois o cheirinho e o carinho são muito mais irresistíveis.

8º lugar: Pizza

Nem todas as pizzas são ruins para a saúde, mas a maioria das que são vendidas congeladas em supermercados está cheia de condicionadores de massa artificiais e conservantes. Feitas com farinha branca, essas pizzas são absorvidas pelo organismo e transformadas em açúcar puro, causando aumento de peso e desequilíbrio dos níveis de glicose no sangue.
Solução: Ah também tenha dó pizza congelada,ninguém merece. Peça uma quentinha na pizzaria mais próxima (é menos prejudicial e bem mais gostosa) ou faça a sua própria massa e chame todo mundo para colocar o recheio favorito.
Aproveite e desvende novos sabores, tenha várias cumbucas com ingredientes diferentes: mussarela ralada, azeitonas pretas picadas, alho poro refogado, cogumelos no azeite, muito tomate orgânico temperado, folhinhas de rúcula e manjericão, ricota temperada, mussarela de búfala, e tudo o mais que a sua imaginação for capaz de criar. Aproveite e faça umas doces também: bananas ou maçãs cozidas com açúcar e canela, brigadeiro, goiabada e queijo branco.

7º lugar: Batatas fritas

Contêm não apenas gorduras trans, que já foram relacionadas a uma longa lista de doenças, mas também uma das mais potentes substâncias cancerígenas presentes em alimentos: a acrilamida, que é formada quando batatas brancas são aquecidas em altas temperaturas.
Além disso, a maioria dos óleos utilizados para fritar as batatas se torna rançosa na presença do oxigênio ou em altas temperaturas, gerando alimentos que podem causar inflamações no corpo e agravar problemas cardíacos, câncer e artrite.
Solução: Começo a pensar que o problema maior não são os industrializados, e sim os hábitos das famílias. Já que as crianças amam batatas fritas porque não usar batatas orgânicas fritas em óleo de girassol, feitas em casa lógico?
Conhecem as falsas batatas fritas? Aí vai a receita: Cozinhar ligeiramente as batatas cortadas em cubinhos, escorrer, salpicar sal marinho e jogá-las em óleo bem quente apenas para dourar. Pode ser feito com mandioquinha e mandioca também. É fritura, sim, mas bem menos perversa.

6º lugar: Salgadinhos de batata

Além de causarem todos os danos das batatas fritas comuns e não trazerem nenhum benefício nutricional, esses salgadinhos contêm níveis mais altos de acrilamida, que também é cancerígena.
Solução: O conselho do 5º lugar aqui também é válido.

5º lugar: Bacon

O consumo diário de carnes processadas, como bacon, pode aumentar o risco de doenças cardíacas em 42% e de diabetes em 19%. Um estudo da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, descobriu ainda que comer 14 porções de bacon por mês pode danificar a função pulmonar e aumentar o risco de doenças ligadas ao órgão.


4º lugar: Cachorro-quente

Michelle cita um estudo da Universidade do Havaí, também nos EUA, que mostrou que o consumo de cachorros-quentes e outras carnes processadas pode aumentar o risco de câncer de pâncreas em 67%. Um ingrediente encontrado tanto no cachorro-quente quanto no bacon é o nitrito de sódio, uma substância cancerígena relacionada a doenças como leucemia em crianças e tumores cerebrais em bebês. Outros estudos apontam que a substância pode desencadear câncer colorretal.
Solução para o 5º e 4º lugares: As carnes em geral são repletas de promotores de crescimento, às processadas ainda se acrescentam os aditivos químicos. Troque tudo isso por um lindo pão caseiro feito com linhaça e gergelim, aberto ao meio, coloque um ovo caipira frito na manteiga, rodelas de tomate temperado com azeite extra virgem, sal marinho e orégano. Acrescente fatias de mussarela ou queijo branco. Leve ao forno para derreter o queijo. Depois de tirar do forno acrescente 1 ou 2 folhas de alface. Coloque num prato bem bonito. Duvido que alguém reclame. Não gosta de ovo? Faça só com queijo.

3º lugar: Donuts (rosquinhas fritas)

Entre 35% e 40% da composição dos donuts é de gorduras trans – o pior tipo de gordura que você pode ingerir. Essas substâncias estão relacionadas a doenças cardíacas e cerebrais, além de câncer. Para completar, esses alimentos são repletos de açúcar, condicionadores de massa artificiais e aditivos alimentares, e contêm, em média, 300 calorias cada.
Solução: Um bolo caseiro substitui muito bem essas rosquinhas horrorosas, puro açúcar. Temos como opção um bolo de chocolate, preferência nacional, mas pode ser de fubá, cenoura, laranja, baunilha.

2º lugar: Refrigerante

De acordo com uma pesquisa do Dr. Joseph Mercola (www.mercola.com), uma lata de refrigerante possui em média 10 colheres de chá de açúcar, 150 calorias, entre 30 e 55 mg de cafeína, além de estar repleta de corantes artificiais e sulfitos. Além disso, essa bebida é extremamente ácida, sendo necessários 30 copos de água para neutralizar essa acidez, que pode ser muito perigosa para os rins. Para completar, os ossos funcionam como uma reserva de minerais, como o cálcio, que são despejados no sangue para ajudar a neutralizar a acidez causada pelo refrigerante, enfraquecendo os ossos e podendo levar a doenças como osteoporose, obesidade, cáries e doenças cardíacas.

1º lugar: Refrigerante Diet

É o pior alimento de todos os tempos. Além de possuir todos os problemas dos refrigerantes tradicionais, as versões diet contêm aspartame, que agora é chamado de AminoSweet. De acordo com uma pesquisa de Lynne Melcombe, essa substância está relacionada a uma lista de doenças, como ataques de ansiedade, compulsão alimentar e por açúcar, defeitos de nascimento, cegueira, tumores cerebrais, dor torácica, depressão, tonturas, epilepsia, fadiga, dores de cabeça e enxaquecas, perda auditiva, palpitações cardíacas, hiperatividade, insônia, dor nas articulações, dificuldade de aprendizagem, TPM, cãibras musculares, problemas reprodutivos e até mesmo a morte. Os efeitos do aspartame podem ser confundidos com a doença de Alzheimer, síndrome de fadiga crônica, epilepsia, vírus de Epstein-Barr, doença de Huntington, hipotireoidismo, doença de Lou Gehrig, síndrome de Lyme, doença de Ménière, esclerose múltipla, e pós-pólio.
Solução para o 2º e 1º lugares: Sucos, sucos e sucos de frutas. Vitaminas com leite e frutas, banana e chocolate. Deixe seu filho conhecer novos sabores, ofereça, coloque em copos e jarras chamativos, canudos, guardanapos engraçados, mesas enfeitadas. Pense bem, as propagandas e as embalagens são muito mais gostosas que a bebida ou a comida em si, será que não está faltando charme em sua mesa? Será que o belo não está sendo esquecido em função da praticidade? Comemos primeiro pelos olhos, sempre. Capricho, carinho e atenção são os melhores condimentos.
Lembrando: a Natureza cobra, e somos parte dela, nossa natureza é um alimento puro, vivo, com a energia do carinho na escolha, na preparação e no servir.Reveja seus valores nutricionais, converse com seu filho sobre os problemas causados pelo alimento no Ser Humano e no Meio Ambiente. Vale dedicar um pouco mais de tempo para o alimento, o resultado aparece na Saúde e na Consciência.
Fotos: Michael Boone | Sugar Stacks
Related Posts with Thumbnails

Sobre o autor:

Nadia Cozzi
Nadia Cozzi ( @nadiacozzi )
Consultora em Alimentação Consciente e idealizadora do Instituto Pedro Cozzi - Espaço DAR VIDA Site: http://alimentopuro.synthasite.com

9.11.11

sorriso

Estudo aponta que sorrir faz com que pessoa pareça mais nova

    Esqueça os cremes antienvelhecimento e botox. De acordo com novo estudo, para parecer mais jovem basta sorrir. Publicada na revista Psychology and Aging, a pesquisa é a primeira a mostrar que a expressão facial exerce influência na hora de adivinhar a idade de uma pessoa.
    O estudo recrutou 154 homens e mulheres de todas as idades para analisar cerca de mil faces diferentes e adivinhar a idade dos indivíduos retratados. A seleção incluía expressões de raiva, medo, nojo, felicidade, tristeza e neutralidade. Todos os participantes atribuíram idades menores às reais para as pessoas que estavam sorrindo nas imagens.
    Todos os participantes chutaram idades menores as pessoas que estavam sorrindo
    Ainda que muitas pessoas pensem que sorrir pode deixar a pessoa com cara de mais velho, pelas rugas de expressão que se formam, o autor do estudo, Manuel Voelke, acredita que quando as pessoas veem uma foto com sorriso não conseguem identificar se essas rugas são de verdade ou de expressão, o que pode dar a impressão de que o retratado é mais jovem.
    Já nas fotografias em que as pessoas estavam com expressões mais naturais, o índice de acerto em relação à idade foi maior.
    O estudo também descobriu que as pessoas mais velhas eram menos precisas em adivinhar corretamente a idade dos fotografados, enquanto os mais jovens sempre chutavam idades menores às reais.
    A pesquisa ainda mostrou que os participantes atribuíam idades até três vezes menores às reais para mulheres mais velhas, em comparação às atribuídas aos homens. De acordo com os pesquisadores, o fato é curioso, pois nenhuma das pessoas retratadas pôde se maquiar para disfarçar a idade.

    http://noticias.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude/ultimas-noticias/2011/11/08/estudo-aponta-que-sorrir-faz-com-que-pessoa-pareca-mais-nova.jhtm

    4.11.11

    7 Ways to Make Your Running Shoes Last Longer

    How often do I need to change my shoes? Is there anything I can do to make them last longer? –Joe
    Hi Joe. The answer to your first question truly depends on the runner and the shoes. Every runner has a host of variables that affect the wear pattern on shoes. Some runners are lightweight but run heavy, and vice versa. Some runners are so efficient their shoes last twice as long as the average runner's.
    The second variable involves the shoes themselves. The materials of the shoe matter, but they also need to match the needs of the runner. For example, if you are a lightweight runner with a very neutral landing pattern and efficient form (lucky!), you could get a lot of mileage out of a lightweight or minimalist shoe. However, if your buddy gets the same shoe but he's heavy on his feet, has not-so-great form, and is not lightweight, the same pair of shoes may last only a few hundred miles. In time, though, this same runner can learn to run more lightly and strengthen his body to run with less (a topic best saved for another post).
    As for your second question, here are seven ways you can extend the life of your running shoes.


    1. Celebrate the birth date. Mark the purchase date of the shoes on the side of your shoes (yes, this is a picture of my shoes) with a permanent marker. Then keep track of the mileage on that shoe in an online or paper log. Knowledge is power, and learning the wear of each pair of shoes can help determine which brand and style work best for you.
    2.  Conserve. Running shoes are cool-looking, but if you wear them outside of your running workouts for kicking around, you are tacking on the miles. And sometimes the standing and walking miles while you're going on with your day can have a greater impact on the wear than running. Think of them like roller skates, and save them for times when you want to get your running groove on.
    3. Avoid the dryer at all costs. It breaks down the shoe materials and makes for a very noisy hour at home. Instead, after a wet, dirty run, rinse them off, use a light brush to get the grit off, and then towel dry and stuff with newspaper or paper towel.
    4. Rotate your shoes. If you're training for a longer race or putting in a lot of miles, consider rotating two pairs of shoes during the same season. This can extend the life of each pair of shoes and allow them time to recover after long runs (shoes need recovery days too). This can also be helpful to tailor the particular shoe for the type of run (i.e. one shoe may be better for long runs, while another is better for shorter, faster workouts). This is also a great way to slowly weave in a minimalist shoe if you are thinking of going this route (please do this very slowly and learn the technique before the mileage, please).
    5. Buy fresh and local. Let's hear it for our local running specialty stores!  They work hard and keep a constant flow of fresh shoes in store. Seriously, buying a discounted shoe may seem like a great idea for the pocketbook at the time, but it could have been sitting in a warehouse for years. Time also wears on the shoe life.
    6. Improve your form. You don't need to get lost in the sea of running form information to improve your form. Keep it simple, run mindfully and rhythmically (short, quick cadence) and think of a neutral line from your head to toe. Watch elite runners at races and emulate the motion, not necessarily the form. They move forward, not up and down. Everyone will learn this with different cues, but if you see what it looks like, you can then start to practice it on the roads. This takes time, practice patiently. Efficient form means less impact on the body and your shoes.
    7. Avoid leaving them in extreme elements. Have you ever picked up a shoe that's been sitting in a car during the middle of the summer heat? It's not pretty, it's more like putty. Exposing the shoe to extreme cold and heat can cause serious strain on the shoes, especially the heat. Friends don't let friends leave their shoes in the trunk.
    8. Run within your means. Okay, this probably doesn't belong in this post, but consider it a bonus tip! If you train wisely and progress slowly, you can run stronger during the entire run and hold more efficient form. If you push beyond, there is an imaginary fatigue threshold you cross in a run that takes you from running strong to plugging along. When this line is crossed, it takes a toll on your body and your shoes due the greater impact forces.

    Happy Trails.
    Jenny Hadfield Co-Author, Marathoning for Mortals and Running for Mortals

    http://askcoachjenny.runnersworld.com/2011/11/7-ways-to-make-running-shoes-last-longer.html