30.11.10

zonas de treinameto



O treinador, Ronaldo Martinelli, da 5Ways, explica o que são e como devem ser utilizadas as "Zonas de Treinamento" na corrida de rua.

http://o2porminuto.uol.com.br/

26.11.10

corridas



Você descobre que está pirando com esse negócio de corridas quando...



· Vai trocar de carro e pergunta para o vendedor da concessionária que pace ele faz

-Dirigindo, vê uma placa na estrada “tal lugar a 5 Km” e pensa “nossa, ainda vou demorar 20 minutos pra chegar lá” (ou 25, ou 30, ou menos de 15, depende...)

· No seu calendário de parede, do lado do “D” do domingo, rabiscou um “P”, afinal, domingo é Dia de Prova...

· Já tem a sua agenda de provas programada até dezembro... Dezembro do ano seguinte

· Está inscrito em várias corridas que sequer foram divulgadas na internet

· Seus filhos se chamam Dean Karnazes da Silva e Deena Kastor da Silva (ou seja lá qual for o seu sobrenome)


· E seu cachorro (ou gato, ou hamster, ou periquito, ou peixe dourado) se chama Haile Gebrselassie

· Anda enviando mailing lists para os amigos falando sobre ultramaratonas de 24 horas

· Por falar em amigos, quase todos os que estavam na sua festa de aniversário eram corredores; e os poucos que não eram você anda tentando convencer a correr...

· Fez proposta de compra pela casa do vizinho para servir de depósito de troféus e medalhas


· Decorou a composição de todas as marcas de géis de carboidratos disponíveis no mercado, inclusive aquelas que ninguém encontra pra comprar em lugar nenhum

· Tem vinte e seis pares de tênis, mas sapato, é aquele velho só, e olhe lá...

· Mandou um e-mail para a Ortopé pra saber se eles têm sapatinho infantil para pisada supinada; com a resposta negativa, encaminhou a mensagem para a Klin e a Pé com Pé

· Desmarcou a data do seu casamento pra não perder a camiseta “Corri Todas”

· Canelite te dá mais medo que câncer

· Não sendo ortopedista e nem fisioterapeuta, é capaz de descrever todos os sintomas (e tratamentos) da fasciíte plantar, da condromalácea patelar e da síndrome da banda íleo-tibial

· Sua caixa de remédios tem mais antiinflamatórios que a prateleira da farmácia, inclusive aqueles que já foram recolhidos dela

· Adorava carnaval, mas passou a detestar depois que descobriu que no domingo dele não tem corrida em lugar nenhum

· Nunca assistiu nenhuma corrida de rua na televisão, porque estava em todas que foram televisionadas até hoje

· Entra no site da São Silvestre no dia 1º de janeiro para ver se já abriram as inscrições


· Não dá déirreal num quilo de bife, mas paga sorrindo R$ 200 na Féxom-Rã

· Todas as suas camisetas, sem exceção, são dry-fit

· O fundo da gaveta de camisetas da sua cômoda cedeu com o excesso de peso

· Não tem mais uma meia de algodão na sua gaveta, porque elas dão bolhas...

· Seu relógio-frequencímetro tem funções que você nunca usou (e nem vai usar), mas fez questão de pagar trezentão a mais por elas

· No seu MP3, MP4, MPn+1 ou similar, tem setlists diferentes para cada tipo de treino, de acordo com a frequência cardíaca em batimentos por minuto

· Definiu o tema de “Carruagens de Fogo” como ringtone do seu celular

· Ainda nem pagou a última parcela do Kayano 15 e já comprou o 16; e anda entrando no site gringo pra saber quando sai o 17

· Dá um sorrisinho de superioridade sempre que algum amigo não sabe dizer se é pronador, supinador ou neutrador

· Fica ofendido quando a tia pergunta se você já saiu pra fazer seu cooper

· Tem dentro do armário duas mochilas de hidratação que comprou e não se adaptou ao uso, além de três calcanheiras de silicone e quatro cintos porta-utilidades

· Além daquela esteira mecânica pesada pra dedéu, que virou cabide

· Isso sem falar na estação de ginástica, na cadeira com bicicleta ergométrica embutida, no banco e/ou aparelho para abdominais e nas sopas e barrinhas da Luciana Gimenez

· Passou a madrugada inteira acordado pra assistir a Maratona de Shangai por streaming

· Quando está na fila do banco, do correio ou do caixa do supermercado, fica com o RG na mão e procurando o comprovante original de inscrição

· E, enquanto não é atendido, fica pensando em quantos quilômetros já podia ter corrido nesse tempo

· Entre as vinte mil fotos de corridas (só deste ano), tem uma ao lado do Marilson, do Vanderlei, do Frank, do Zé Teles, da Zeferina, da Marizete (que você só não sabe qual das duas é) e de um punhado de outros corredores que são famosos pra caramba, só que você não sabe o nome deles


· Os fotógrafos das provas te chamam pelo nome

· Você virou a casaca e passou a torcer pelo Cruzeiro... Equipe de Atletismo do Cruzeiro

· Pra você, o atleta do século XX é Paul Tergat

· Todas as fotos do seu álbum no Orkut têm logotipo no canto

· Você não adiciona no Orkut (e nem dá bom dia para) quem não tenha corrido maratonas abaixo de 3 horas

· Depois de assistir à matéria no Globo Esporte, procurou a receita da gororoba dos quenianos no Google

· Fez (e aguentou tomar sem vomitar) o chazinho milagroso do Globo Repórter

· Além de corrida, você faz musculação, power yoga, pilates e tai chi chuan

· Dois terços da sua geladeira são ocupados por isotônicos e bebidas esportivas à base de maltodextrina

· Gasta mais na loja de suplementos que no supermercado

· Tem todos os números de peito das provas que participou, dobrados, dentro do envelope original e com os quatro alfinetes (retirados e engatados)

· Comprou como souvenir os chips das provas que considera mais importantes; todos os cento e cinquenta

· Usa mais Hipoglós agora do que quando era criança

· E mais vaselina do que quando era solteiro

· Não sabe de cabeça o número do RG, do CPF e da CNH, mas lembra o tempo líquido, bruto, colocação geral, por sexo e por categoria nas suas quinze São Silvestres

· E mandou gravar essas informações no verso de cada medalha

· Esquece todo ano do aniversário de casamento, mas comemora sempre o da primeira maratona

· Ninguém te chama pra feijoada no sábado há mais de dez anos

· Anda achando que 5 Km é prova pra criança; e de 10 Km, pra adolescente

· É conhecido na vizinhança como “aquele que corre” ou “o tiozinho atleta”

· Quando sai a lista de participantes antecipada, olha nome por nome e conta quantos são os da sua faixa etária

· Para ficar mais leve na corrida, prende o número de peito só com dois alfinetes; e destaca o canhotinho do guarda-volumes

· Acha que pra “Semente da Vitória” virar a Bíblia, só faltam os números dos versículos

· Entra no Climatempo toda segunda-feira pra saber qual é a previsão para o próximo domingo

· É capaz de converter, de cabeça, Km/h em mph e vice-versa; e ambos em min/Km

· Passa filtro solar antes de correr na esteira; e perde mais tempo programando o fartlek nela do que correndo

· Está planejando, e faz tempo, um abaixo-assinado para a São Silvestre voltar a ser noturna

· Acompanha 450 blogs de corredores no Blogspot; e na segunda-feira, fica mandando parabéns pela participação até as onze e meia da noite

· Já foi pra lan house fazer isso quando a internet amanheceu sem sinal

· Todos os seus followers no Twitter são corredores

· Já leu TODOS os relatos de corridas do Namiuti

· Escreveu relatos de TODAS as suas corridas, que nem o Namiuti

· Neles, entabulou dados como a velocidade do vento, a umidade relativa do ar e a pressão atmosférica em mmHg

- Entra em loja de roupas e por mais roupas de corrida que voce tenha. Os olhos quase que hipnotizados já procuram a sessão de roupa esportiva da loja! rsrsrs

- entra em site de corrida umas 20 vezes por dia pra ver se apareceu alguma nova pra voces se deliciar!

- Pensa duas vezes pra pagar 50 reais reais na churrascaria.. mas paga 100 paus na inscrição da SS !

- Se te pedem conselho para montar treino ou te consultam sobre dores na corrida;

- Fica triste quando recebe um convite para uma festa (de aniversário ou casamento), sabendo que no dia seguinte tem aquela prova especial;

- Leu essa lista enorme, e não só se identificou com quase todos os itens, como pensou em mais um monte.

Fábio Namiuti

19.11.10

Abebe Bikila

eis aqui uma compilação de videos de uma lenda do atletismo, o etíope Abebe Bikila, sua grande façanha, ganhar a Maratona de Roma, correndo descalço!

ele sim é o cara!











e aqui um video de motivação pra nós, corredores:

18.11.10

Dicas para diminuir a gordura corporal

(por ANDRÉIA TORRES)


Muitas pessoas começam a correr para perder peso. Esta é uma estratégia realmente maravilhosa, pois o gasto energético durante a corrida é alto. E você sabe: para emagrecer é necessário se gastar mais do que se consome em termos energéticos. Porém, relatos de emagrecimento, acompanhados de diminuição da massa muscular (o que não é o objetivo) ou manutenção de um percentual de gordura elevado são comuns. Neste caso a dieta balanceada pode ajudar e muito.


COMER A CADA 3 HORAS!

Uma estratégia importante é não passar muito tempo sem se alimentar. Quando ficamos em jejum ou sem comer por muitas horas acabamos utilizando o músculo para fornecimento de energia. Atividades de força também são interessantes para a manutenção da massa magra.
É por isto, que hoje se indica musculação até para quem quer perder peso. Neste caso é importante comer algo após a atividade (até 1 hora depois) e indica-se algum alimento que contenha proteína (carne, leite, queijo, ovo, quinua, soja...) pois pesquisas recentes mostram que dietas ricas em proteínas são eficientes para a perda de gordura, com manutenção da massa magra.


RETIRADA DE TOXINAS.

O excesso de peso ou de gordura é desencadeado principalmente pela má qualidade da alimentação (com alto consumo de açúcar, gorduras ruins e álcool), por uma maior exposição a toxinas (bisfenol A, dos plásticos, agrotóxicos, corantes, estabilizantes e outros preservativos), por um funcionamento intestinal inadequado, pela deficiência de micronutrientes e também pelo estresse.
Todas estas condições sobrecarregam o sistema imune, alteram a funcionalidade do tecido adiposo (onde a gordura fica estocada) e provocam maior resistência à perda de peso. Por isto, adotar uma dieta mais natural, com o mínimo de industrializados, e controlar o estresse (que é um produtor de toxinas internamente), ajuda muito no processo de perda de gordura corporal.


CONTROLE NOTURNO.

Se você assalta a geladeira à noite realmente terá mais dificuldade em emagrecer e perder gordura, já que o metabolismo fica mais lento quando se dorme. Por essa razão, é importante não ter deixado de comer durante o dia, para que não esteja tão faminto no período noturno. Existem também alimentos mais propícios para controlar a compulsão neste horário.

Os peixes possuem fosfatidilserina, que diminuem a compulsão e o acúmulo de gordura. A fosfatidilserina também está presente em vegetas folhosos escuros e na soja.

A banana, fruta muito bem aceita pelos corredores, contem o aminoácido triptofano que melhora a saciedade. Você pode fazer uma vitamina com a soja ou mesmo batê-la com uma polpa de açaí. Mas açaí não engorda? O açaí é realmente calórico, porém é rico em antocianinas e ácido oléico que regulam o metabolismo energético e diminuem a compulsão à noite!


O abacate é outra fruta calórica com o mesmo efeito do açaí, já que também é fonte de ácido oléico. Você pode fazer um suco batendo-o com limão e quinua (fonte de proteína, que também dá saciedade), colocá-lo na salada de fruta da tarde ou mesmo na salada de folhas à noite.
O ideal, quando se perder peso, é ir dormir com a sensação de que se poderia ter comido um pouco mais...

 

17.11.10

Recarregue

Respeite os treinos mais leves para guardar energias quando for "pra valer".
Por Bob Cooper

Corredores que suam a camisa para definir cada detalhe de seu treino — ritmo, distância, intensidade — não devem hesitar em incluir um "dia de recuperação" no programa de treinamento. Só que, enquanto algumas pessoas ficam mais que satisfeitas em tirar um dia de folga, outros não resistem em sair para uma volta de bicicleta ou mesmo uma corrida leve de 5 km. Mas qual das duas opções é melhor?

Os dias de recuperação contam como treinamento, pois o corpo obtém ganhos físicos enquanto você descansa. Se você não dá ao corpo a chance de se recompor, não consegue maximizar esses ganhos — e algumas atividades em determinados momentos possibilitam uma melhor recuperação.

Para atingir todo seu potencial, é essencial escolher o que fazer no dia de descanso para equilibrar com seus esforços mais intensos. Mas, como qualquer princípio de treinamento, a fórmula ideal para cada pessoa depende de uma série de fatores, incluindo o nível de condicionamento, a idade, o tipo de trabalho e o estilo de vida de cada um. Para a maioria dos corredores, porém, as recomendações de recuperação a seguir ajudarão a obter o descanso necessário para maximizar os resultados dos treinos pesados.

A RECUPERAÇÃO: Corrida leve
Corridas leves permitem que os músculos se recuperem ao mesmo tempo que melhoram sua eficiência biomecânica, o que se traduz em uma melhor forma para correr. A chave é fazer um treino suficientemente curto e lento. A recomendação é fazer de um terço a metade da distância que você percorre em suas corridas mais longas e em ritmo mais devagar. Comece a correr bem devagar por 5 a 10 minutos.

QUANDO: No dia seguinte a um tempo run (treino de ritmo), treino de velocidade ou tiros em subidas.


A RECUPERAÇÃO: Cross-training
Ciclismo, natação, transport ou remo são boas modalidades de baixo impacto para acelerar a eliminação das substâncias residuais que nos deixam doloridos (depois de treinos intensos) e, ao mesmo tempo, corrigir os desequilíbrios musculares causados pela corrida. No entanto, se seu objetivo for a recuperação, você não deve fazer um cross-training muito longo ou intenso. Limite-se a sessões de 30 a 60 minutos (um pouco mais, se for pedalar em ruas planas). Seus batimentos cardíacos devem se elevar, mas sua respiração não deve ficar ofegante.

QUANDO: Sempre que se sentir um pouco esgotado ou dolorido, principalmente um dia depois de um longão ou treino de velocidade.


A RECUPERAÇÃO: Musculação
O treino de força dá a suas pernas um descanso mais que necessário do impacto do asfalto e aumenta a força corporal como um todo. Músculos mais fortes podem melhorar a eficiência da sua passada, fazendo de você um corredor melhor. Um tronco forte impede que sua forma se deteriore e ajuda você a enfrentar ladeiras, enquanto que uma base com membros inferiores fortes absorve melhor os impactos, o que pode proteger de lesões. Para aproveitar melhor seu tempo treinando, escolha exercícios que trabalhem vários grupos musculares de uma vez, como agachamentos, avanços, flexões de braço, barra fixa supinada, step e remadas unilaterais. Comece com duas a três séries de seis a 12 repetições de cada exercício. Seus músculos devem estar esgotados no fim da última série.

QUANDO: No dia seguinte a um treino de tiros em subidas ou tempo run.


A RECUPERAÇÃO: Descanso total
Nem ioga nem caminhadas curtas, tampouco um futebolzinho com as crianças (se você conseguir evitar). Um dia sem nenhuma atividade pode ser difícil para os perfeccionistas, que acham que devem fazer progressos todo dia. Mas, na verdade, o princípio de treinamento de 'supercompensação' sugere que um dia de folga faz com que o desempenho dê um salto. E também dá ao atleta um intervalo mental do treinamento.

QUANDO: Uma vez por semana. O dia seguinte ao longão é o ideal, mas qualquer dia em que você estiver se sentindo sem energia também funciona.




12.11.10

THE MARATHON

THE MARATHON

The Marathon is not about running, it is about salvation. We spend so much of our lives doubting ourselves, thinking we’re not good enough, not strong enough, not made of the right stuff. The Marathon is an opportunity for redemption. “Opportunity,” because the outcome is uncertain. “Opportunity,” because it is up to you, and only you, to make it happen.

There is no luck involved in finishing a marathon, the ingredients required to tackle this formidable challenge are straightforward: commitment, sacrifice, grit, and raw determination. Plain and simple.

So you set about in your training to prepare your body for the rigors of running 26.2 miles. You train like crazy, dedicating yourself wholeheartedly to the challenge ahead, pouring everything you’ve got into it. But you know the Marathon will ask for more. In the dark recesses of you mind, a gloomy voice is saying, you can’t. You do your best to ignore this self-doubt, but the voice doesn’t go away.

The Marathon shakes you to the core. It deconstructs your very essence, stripping away all your protective barriers and exposing your inner soul. At a time when you are most vulnerable, the Marathon shows no pity. The Marathon tells you it will hurt you, that it will leave you demoralized and defeated in a lifeless heap on the roadside. The Marathon tells you that it can’t be done, not by you. “Ha!” it torments you, “In your dreams.”

You fight back, however, and stand courageously at that starting line, nervously awaiting the gun to go off. When it does, you put your head down and charge off into the abyss with the knowledge that you either paid your dues, or skimped along the way. There is no lying to yourself, the Marathon sees right through excuses, shortcuts and self-transgressions.

All goes well for the first half. But slowly, step by step, the pain mounts, while the intensity of the endeavor amplifies. You remain steadfast, knowing that you did not skimp, that you did not take shortcuts along the way, that every footstep was earned through months of diligent preparation. Still, with each wearing thrust forward, that little nagging inclination of self-doubt progressively advances toward the surface of your awareness.

Then, at mile twenty, the voice looms louder than ever. It hurts so bad you want to stop. You must stop. But you don’t stop. This time, you ignore the voice, you tune out the naysayers who tell you you’re not good enough, and you listen only to the passion in your heart. This burning desire tells you to keep moving forward. To continue putting one foot boldly in front of the other, and don’t stop. Courage comes in many forms, today you will have the courage to keep trying, to not give up, no matter how dire things become. And dire they do become. At the 26 mile mark, you can barley see the course any longer, your vision is faltering as you teeter on the edge of consciousness.

And then, suddenly before you, looms the finish line. Tears stream down your face as you cover those final few steps. Now you are finally able to answer back to that nagging, pervasive voice with a resounding: Oh yes I can!

You burst across that finish line and are liberated from the prison of self-doubt and limitations that have forever held you captive. You have learned more about yourself in the past 26.2 miles than you have known in a previous lifetime, now you are freed from the chains that bind. Even if you can’t move for a week, you have never been so free.

As you are being carried away from the finish line, wrapped in a flimsy mylar blanket, barely able to raise your head, you are at peace. That daunting adversary that, as a runner, has haunted you for an entire lifetime is now your liberator, you fondest ally. You have done what few will ever do—you have done what you thought you could never do—and it is the most glorious, unforgettable awakening ever. You are, a Marathoner, and you will wear this distinction not on the lapel of your clothing, but in your heart, for the rest of your life.

fonte: http://dean.runnersworld.com/

5.11.10

Feira livre

As frutas podem e devem estar presentes em seu cardápio diariamente. Mas você sabe como fazer delas uma aliada nos treinos? (Por Inês Trevisan)


Não é novidade para ninguém, principalmente para quem se preocupa com o corpo e tenta levar uma vida saudável, que as frutas são uma ótima opção de alimento nutritivo e saboroso. Elas ajudam a prevenir a desidratação (pois têm água na composição) e possuem ingredientes que aumentam a resistência imunológica do organismo, reduzem o risco de lesões musculares e a incidência de cãibras.

As vantagens não param por aí. Frutas são uma boa fonte de energia para esportistas, pois possuem carboidratos, presentes principalmente na forma de frutose, que é o açúcar das frutas. Além disso, elas contêm vitaminas e minerais antioxidantes, como vitamina C e betacaroteno, essenciais no combate aos radicais livres que se formam na prática esportiva.
Mas os corredores precisam prestar atenção ao escolher o tipo de fruta e o momento em que vão consumi-la, de acordo com a rotina de treinos e provas. Esse cuidado deve ser tomado porque as fibras das frutas podem trazer desconforto gástrico e prejudicar o desempenho. Por outro lado, se a escolha for feita de forma correta, elas vão ajudá-lo a ter mais disposição para os treinos e competições e trazer energia para a recuperação depois de um dia puxado de corrida.



Antes


Para quem treina pela manhã e precisa fazer a primeira refeição de 30 a 40 minutos antes de sair para a corrida, frutas são bem-vindas no café da manhã. Para enriquecer essa refeição, uma sugestão é consumir cereais integrais com frutas variadas e picadas. Vale também um iogurte de frutas desnatado. Mesmo que você treine mais tarde ou à noite, pode consumir frutas antes do exercício para matar a fome e se sentir mais disposto para a corrida.

Em ambos os casos, antes de um treino ou de uma prova, o melhor é optar pelas frutas que têm baixo ou moderado índice glicêmico, como pera, damasco-seco e maçã. Esses alimentos dão energia durante um tempo prolongado, como o período em que você estiver correndo.
E, se você prefere não comer logo antes de encarar a corrida porque se sente enjoado ou com algum desconforto gástrico depois da refeição, tome um suco de frutas coado, mais fácil de digerir. Uva e caju são boas opções, mas evite melancia, que pode ser indigesto para algumas pessoas. No caso da laranja, retire o bagaço, pois ele tem efeito laxante.



Durante


Tudo depende da duração do exercício. Se a corrida não for muito longa (abaixo de cinco horas), não é preciso consumir qualquer tipo de alimento sólido. Durante esses tipos de treino e prova, as bebidas isotônicas dão conta do recado para manter o pique. Mas, se o tempo de exercício for grande, uma opção é ingerir frutas secas, que são fáceis de carregar.
E lembre-se de que, antes de consumir qualquer alimento durante um treino, é preciso ficar atento para a forma como você o digere – mesmo no caso das frutas. Vale a pena, por exemplo, escolher uma oleaginosa, como castanha de caju ou noz e ver o que acontece se você comê-las durante o exercício. Assim, nenhum tipo de desconforto vai atrapalhar um treino importante ou uma prova.



Depois


Se o treino acabou ou a prova tão esperada chegou ao fim, é hora de se alimentar da forma correta para recuperar a energia perdida. Nesse momento, se o atleta escolher uma fruta, deve optar pelas que têm índice glicêmico maior, que fornecerão energia rapidamente para recuperá-lo do esforço. Boas opções são: suco de melancia ou laranja (que também vão ajudar a repor os líquidos perdidos), uva-passa, banana ou manga.

As frutas também podem ser combinadas com um lanche mais reforçado e rico em carboidratos, que inclua pães ou massas.

Uma dica bacana é variar, para não ficar enjoado da mesma fruta. Se quiser experimentar um suco diferente após um treino, invista na compra de frutas congeladas, como as frutas vermelhas, que nem sempre estão na época para serem consumidas in natura e são ricas em antioxidantes (que ajudam na regeneração dos músculos).


Fique longe!

Além das recomendações para se preparar para um treino, manter a energia durante o exercício e se recuperar de uma prova com a ajuda das frutas, é preciso ficar atento para as variedades que você deve evitar quando estiver prestes a calçar o tênis.

Frutas fibrosas e com efeito laxante podem estar presentes na dieta do corredor, mas em períodos do dia longe dos treinos ou provas. Exemplos são mamão, laranja com bagaço e figo.
Evite consumir esses tipos de fruta entre 3 e 4 horas antes de treinar. Assim, você afasta o risco de seu estômago e intestino reclamarem bem no meio de uma corrida.

3.11.10

Aprenda a comer salada: quanto mais colorida, melhor

Quer ter uma vida mais longa e saudável? O primeiro passo é começar pelo prato. Mais precisamente, com uma bela porção de salada. A combinação certa de verduras e legumes é essencial à nutrição e à saúde.


No entanto, um levantamento do Ministério da Saúde realizado em abril deste ano mostra que as hortaliças estão presentes no prato de apenas 30,4% dos brasileiros. Uma pena, já que as vantagens de incluí-las na dieta são enormes. Na hora de montar uma refeição, pense na salada como uma liquidação de shopping: você compra mais pela metade do preço e no final sobra satisfação. Ao montar um bom prato com legumes e hortaliças, você consome fibras, vitaminas e minerais por poucas calorias e, no final da refeição, sente que o organismo está saciado.

Mas é preciso cuidado na escolha dos alimentos. Algumas combinações podem ser verdadeiras ciladas, como explica a nutricionista Carolina Mesquita. A especialista aconselha a ficar longe dos molhos que contenham leite. "O cálcio compete com o ferro e atrapalha sua absorção. Evite também tudo que contém gordura e alto teor de sódio, responsáveis por doenças cardiovasculares e hipertensão arterial".

Na hora de temperar, dê preferência ao azeite (no máximo duas colheres de sopa) e ao limão. Segundo Carolina, a fruta é rica em vitamina C, que ajuda na absorção de ferro.

Usar o limão como tempero pode ser uma boa pedida também para quem quer perder uns quilinhos extras. Uma pesquisa divulgada no Journal Pharm Biomed Analysis em 2010 apontou que o limão facilita o metabolismo das gorduras e diminui a síntese de colesterol e de triglicérides.


Saiba como compor a sua salada


A regra do "quanto mais colorido melhor" está valendo também na hora de escolher os itens que irão compor sua salada. Dependendo de suas escolhas, ela valerá por uma refeição. E o melhor: repleta de vitaminas e elementos importantíssimos ao corpo, já que os ingredientes costumam ser crus e, quando aquecidos, invariavelmente perdem parte de suas propriedades nutricionais.

O prato completo deve ser composto por folhas diversas, pelo menos um tipo de legume colorido (cenoura, beterraba, chuchu, quiabo, vagem, etc), um tipo de cereal ou tubérculo (massa, arroz integral, crouton de pão integral, batata, inhame ou aipim), um tipo de leguminosa (feijão, grão de bico ou ervilhas) e uma proteína (carne, peixe, frango, ovo ou soja).