13.8.10

Make Voyages

por dean karnazes


I’ll be the first to admit, I’m no life coach. More than anything, I’ve simply followed my passions and lived my life accordingly. What’s the recipe for success? Geez…I really have no idea? From what I have observed, however, in those that are successful (“success” being defined as living up to one’s full potential) is that they have a few underlying principles in common.


Find Your Beat
No matter what your definition of success, if you are not happy doing what you do all else seems immaterial. Follow your passions. Do what you love. There is no higher calling. As Thoreau famously put it: "If a man does not keep pace with his companions, perhaps it is because he hears the beat of a different drummer." Find your beat and dance to it.


Focus
 My grandmother once told me, “You can have anything you want, you just can’t have everything you want.” To me, this speaks to focus and perseverance. Set goals and stay the course. Will it be easy? Hell no! Undoubtedly there will be hurdles to overcome and obstructions to conquer. Highly accomplished people remain focused on getting the job done despite the blockades. “Obstacles are those frightful things we see when we take our eyes off our goal,” Henry Ford once said. Keep your eyes on your goals and never, ever give up.


Fail Spectacularly
The grander the challenge the higher the potential for catastrophe. The history books are filled with stories of successful people risking everything. Sometimes the outcome is a celebrated success, other times it’s not so pretty. The main lesson here is to have the courage to try. Failure can lead to incredible discovery. Embrace failure as an opportunity to learn and grow. Shake it off, pick up the pieces, and move on. As my pops often reminds me, “It’s not how many times you fall down that matters, it’s how many times you get back up.”


Lace ‘em Up
Never be beyond dropping everything, slapping on your running shoes and bolting out the door for a quick spin. Life’s too short to get too worked up about something. Okay, this isn’t a learning from some fabulously successful person, it’s just my own personal creed. But, hey, I can’t tell you how many times I’ve gone for a run and my problems have magically disappeared. Often it’s just a matter of perspective. Running freshens your outlook, if nothing else, and when you feel better the world looks brighter. It’s been said that your attitude determines your altitude. Running is the greatest attitude adjuster I know. At the very least, as the writer Herm Albright once quipped, “A positive attitude may not solve all your problems, but it will annoy enough people to make it worthwhile." Yeah, never be beyond a good laugh, either.


Never Stop Exploring 
Show me a man who is content and I will show you an underachiever. Be restless. Search, endeavor, wander. Push your limits and step beyond your comfort zone. The familiar breeds contentment and complacency. True growth only occurs when you journey into unchartered territory and tackle the unknown. As Tennessee Williams once said, "Make voyages. Attempt them. There’s nothing else.”



May 2010 be YOUR year for attempting great voyages!

Charge on,

Dean

11.8.10

A influência do frio no organismo

As baixas temperaturas fazem com que o corpo do corredor fique mais suscetível a sofrer com lesões e até hipotermia. Veja como prevenir-se da influência do inverno durante a prática da atividade física.
(Por Maurício Belfante) 

Para os corredores, o frio não é só um inimigo por instigar em alguns a preguiça, o sono ou até mesmo a gula. Temperaturas baixas também podem ser responsáveis por causar lesões e contraturas, que são os maiores pesadelos dos esportistas.

Preocupação constante de quem pratica uma atividade física, o frio é tratado com muito mais cautela nos países onde as temperaturas baixas são mais recorrentes. Nesses locais, cujos termômetros abaixam do 0°C, os treinos acontecem em ginásios fechados, isolando termicamente os corredores para que não recebam diretamente a temperatura.

Para um atleta, praticar a corrida no frio extremo, em uma temperatura que não está totalmente adaptado, pode trazer consequências como problemas nas articulações, além de câimbras, entorses e estiramentos
O frio intenso, que ocorre principalmente em outros países, mas dificilmente no Brasil, também pode levar a hipotermia, problema na desregularização da temperatura corporal, caindo para menos de 35ºC, que pode até levar à morte. Por isso, caso for correr em lugares assim, é preciso se adaptar melhor para essas condições.


Começando a aclimatação

Para quem não está acostumado com certas temperaturas, correr no frio pode ser complicado e a performance pode não ser a esperada. Para que o clima frio passe a ser considerado normal, é preciso que haja um processo denominado “aclimatação”.

Esse processo é de extrema importância para os corredores, que devem fugir ao máximo das contraturas. A aclimatação deve ocorrer paulatinamente, abaixando a temperatura aos poucos.

Partindo para os treinamentos

Nas temperaturas baixas, o organismo parece sofrer com um tipo de “endurecimento”. Além disso, há uma resistência maior do corpo para a prática do esporte. Isso acontece porque há, no frio, uma redução cardíaca, respiratória e até da pressão arterial. É aí que entra a importância do aquecimento.

Antes de começar a correr, deve ocorrer um aquecimento e alongamento muito bem feitos. Nas primeiras passadas, é possível começar a correr até com agasalhos, mas estes devem ser retirados com o aumento da temperatura corporal.

Além de se preparar bem, algumas vestimentas, dependendo, é claro, da temperatura, não podem faltar. Dependendo do frio, pode-se usar luvas e toucas, mas a melhor coisa é planejar os treinamentos e tentar inovar para dar mais ânimo, como correr em grupo.


Orientações

Veja algumas recomendações do National Collegiate Athletic Association para a evitar lesões e hipotermia durante a prática da atividade física em temperaturas baixas:

Dieta equilibrada com mais substratos energéticos, como por exemplo carboidratos;

• Uso de roupas apropriadas e manter-se seco. Várias camadas para estabelecer um melhor aquecimento, evitando materiais como algodão, que retêm a umidade e pode contribuir para uma maior perda de calor;

• Proteção das mãos e cabeça. Pode haver perda de até 50% do calor pela cabeça;

• Hidratação adequada;

• Exercícios de aquecimento e alongamento prévios à atividade física;

• Ausência de álcool, nicotina e outras drogas. Esses agentes causam vasoconstrição ou vasodilatação (contração dos vasos causando diminuição ou aumento de seus diâmetros) superficial, comprometendo a regulação da temperatura corporal.